INSTALAÇÃO SONORA

MESAS

Pedro Rebelo e Ricardo Jacinto



Local | Rua Direita

MESAS é uma intervenção urbana que promove a relação quotidiana com o som, através de peças de mobiliário indispensáveis à vida doméstica, profissional e no lazer. Desde mesas de jantar a mesas de centro, de cozinha, de jardim, de reunião, de bar, de cabeceira ou de jogo, o uso e utilidade local determina as diversas variações em forma. Este projecto, dos artistas Pedro Rebelo e Ricardo Jacinto foi concebido para a Rua Direita em Viseu e consta de uma sequência de mesas suspensas ao longo da rua, que revelam vivências e memórias através do som.

A materialidade, contexto e utilidade de cada mesa configuram um conjunto de sonoridades, desde a manipulação de objectos sobre o seu tampo, até conversas que acontecem em seu torno, passando pelo impacto que têm nas paisagens sonoras do local onde se inscrevem.

O projecto dá a ouvir estas vivências particulares através de um conjunto de instalações sonoras associadas a lugares como o ourives, a escola ou a loja do alfaiate.

PEDRO REBELO | Compositor, performer e artista sonoro activo na área da música de câmara, improvisação e instalação. Doutorou-se pela Universidade de Edimburgo em 2002, onde investigou relações entre a música e a arquitectura. A sua música foi apresentada em salas como Melbourne Recital Hall, National Concert Hall Dublin, Queen Elizabeth Hall, Ars Electronica, Casa da Música, e em festivais que incluem Weimarer Frühjahrstage fur zeitgenössische Musik, Wien Modern Festival, Cynetart e Música Viva. Como performer de música improvisada colaborou com músicos como Chris Brown, Mark Applebaum, Carlos Zingaro, Evan Parker e Pauline Oliveros. Pedro tem recentemente iniciado projectos participativos com comunidades em Belfast e nas favela da Maré, Rio de Janeiro. Este trabalho tem resultado em exposições de arte sonora em espaços como o Metropolitan Arts Centre, Belfast, Espaço Ecco em Brasília e Parque Lage e Museu da Maré no Rio.

As suas publicações académicas reflectem a sua atitude perante o design e a composição, articulando a práctica criativa com um entendimento abrangente da teoria da cultura e novas tecnologias. Pedro foi professor convidado na Stanford University (2007) e professor visitante sénior na UFRJ, Brasil (2014). Teve posições de “music chair" de conferências internacionais tal como a ICMC 2008, SMC 2009 e ISMIR 2012. Na Queen's University Belfast teve posições de director de educação, chefe de departamento na School of Music and Sonic Arts e é, actualmente, professor catedrático e director de investigação da School of Creative Arts, incluindo o Sonic Arts Research Centre. Em 2012 foi-lhe atribuído o prémio "Building Tomorrow's Belfast" do Northern Bank.

RICARDO JACINTO | Nasceu em Lisboa em 1975. Vive e trabalha em Lisboa e Belfast. Artista sonoro e músico, concentrando-se principalmente na relação entre som e espaço. Formado em Arquitectura na Universidade de Lisboa, Escultura e Curso Avançado de Artes Plásticas no Ar.Co (Lisboa) e na School of Visual Arts (Nova Iorque), fez estudos de música no Hot Clube de Portugal e Academia de Amadores de Música. Actualmente frequenta uma pós-graduação em Improvisação site-specific no Sonic Arts Research Center (Belfast).

Desde 2001 dirige o projecto intermedia PARQUE e partilha a direcção artística de Eye Height. É membro do OSSO - Associação Cultural e co-programador do projeto ECOS (Escuta e Lugar).

Apresentou o seu trabalho em exposições individuais e colectivas, como Project Room CCB Lisboa, Círculo de Belas Artes em Madrid, MUDAM Luxemburgo, Centro Cultural Gulbenkian (Paris), Manifesta 08, European Bienal de Arte Contemporânea de Itália, Loraine Frac-Metz, OK CENTRE Linz (Austria), CHIADO 8, Culturgest e Casa da Música.

Projectou com o arquitecto Pancho Guedes, a instalação "Lisboscópio" para a Representação Oficial Português na Bienal de Arquitectura de Veneza de 2006. Na Culturgest (Lisboa e Porto) apresentou, em 2008, um extenso conjunto de instalações e performances desde 1998. O seu trabalho de instalação está representado em diversas colecções de arte: Fundação de Serralves, Caixa Geral de Depósitos, Fundação Leal Rios e Fundação PLMJ.

Como violoncelista tem trabalhado no campo da música improvisada com vários músicos e formações (Nuno Torres, Rodrigo Pinheiro, David Maranha, Hernani Faustino, Ernesto Rodrigues, Ricardo Guerreiro, C Spencer Yeh, Shiori Usui, Manuel Mota, Pedro Rebelo, Franziska Schroeder, Simon Rose, Paul Stapletton, Gabriel Ferrandini, Orquestra de geometria variável, PinkDraft, Cacto, FOIRMFADA, entre outros).

Apresentou o seu trabalho como músico-performer na Fundação de Serralves (Porto), Palais Tokyo (Paris), SARC (Belfast), Festival VERBO (São Paulo), Festival Temps d' Images (Lisbona), Festival Rescaldo (Lisbon), Festival BigBang (CCB, Lisboa), Culturgest (Porto e Lisboa), ZDB (Lisboa), Dança Base, (Edimburgo), Kabinett 0047 (Oslo), Fundação Calouste Gulbenkian (Paris).